Manole
Product ID: 3509
New In stock
GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA – 2ª EDIÇÃO

GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA – 2ª EDIÇÃO

Destaque Lançamento

Estoque: 1 Marca: Manole Referência: 9788520426784


De R$ 104,00
Por:
R$ 93,86
Economize  R$ 10,14

R$ 89,17 à vista com desconto
ou 3x de R$ 31,29 Sem juros
Simulador de Frete
- Calcular frete

GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ? 2ª EDIÇÃO - IMPRESSO
AUTOR: Reis, Dálcio Roberto dos

Informações Técnicas:
ISBN: 9788520426784
Número de páginas: 208
Encadernação: Brochura
Ano: 2007

SINOPSE:
O intuito dessa obra é apresentar soluções para que o conhecimento e a tecnologia gerados na universidade cheguem ao setor empresarial, sem prejudicar o ensino e a pesquisa, o que dá ao livro um caráter didático. Esta segunda edição obtém novo capítulo que aborda a criação de uma cultura organizacional voltada para a inovação.

SUMÁRIO:
1. Produção e Transferência de Conhecimento
A importância do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
A criação de conhecimento na empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Os quatro modos de conversão do conhecimento . . . . . . . . . . . 9
Socialização: do conhecimento tácito em conhecimento tácito . 9
Externalização: do conhecimento tácito em conhecimento
explícito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Combinação: do conhecimento explícito em conhecimento
explícito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Internalização: do conhecimento explícito em conhecimento
tácito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

gestão da i n o v a ç ã o t e c n o l ó g i c a

xii
As cinco condições que promovem a criação da espiral
do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Intenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Autonomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Flutuação e caos criativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Redundância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Variedade de requisitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
As cinco fases do processo de criação do conhecimento . . . . . . . . . 14
Fase 1: Compartilhamento de conhecimento tácito . . . . . . . 15
Fase 2: Criação de conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Fase 3: Justificação de conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Fase 4: Construção de um arquétipo . . . . . . . . . . . . . . . 17
Fase 5: Difusão interativa do conhecimento . . . . . . . . . . . 18
A transferência de conhecimento e a busca pela inovação a partir
das relações universidade-empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
O tempo despendido no processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
A apropriação do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
A implicitabilidade do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . 26
A universalidade do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
2. Conceitos em Ciência, Tecnologia e Inovação
Relacionamento entre ciência e tecnologia . . . . . . . . . . . . . . . . 31
O processo de inovação tecnológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
3. Modelos de Mudança Tecnológica
Modelos lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Modelo science-push . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Modelo market-pull . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Modelos interativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77

xiii

4. As Estratégias de Inovação das Empresas e as
Formas de Acesso à Tecnologia
Construção de capacidades tecnológicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
Estratégias tecnológicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Estratégia ofensiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Estratégia defensiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Estratégia imitadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Estratégia dependente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Estratégia tradicional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Estratégia oportunista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Formas de acesso à tecnologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Compra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Importação explícita de tecnologia . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Vigilância tecnológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Cópia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Ser uma empresa subcontratada . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
Pesquisa cooperativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
Formação de pessoal próprio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
Licenciamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
Pesquisa por encomenda (por contrato) . . . . . . . . . . . . . . 94
Contratação de especialistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Associações e alianças estratégicas . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Pesquisa e desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
5. Cooperação Universidade-empresa como
Instrumento para a Inovação Tecnológica
Do triângulo de Sábato à tríplice hélice de Etzkowitz . . . . . . . . 99
Intra-relações dentro de cada vértice . . . . . . . . . . . . . . . 102
Inter-relações entre os três vértices . . . . . . . . . . . . . . . . 102
Relações com o contorno externo ou extra-relações . . . . . . 102
Evolução da cooperação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

gestão da i n o v a ç ã o t e c n o l ó g i c a

xiv
Características do relacionamento universidade-empresa . . . . . . 108
Referencial teórico das relações universidade-empresa . . . . . . . . 112
A dimensão psicossociológica do relacionamento
universidade-empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
Motivações para as empresas se relacionarem com as
universidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
A dimensão organizacional do relacionamento
universidade-empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
Uma taxonomia para as relações universidade-empresa . . . 123
Procedimentos de coordenação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
A avaliação do relacionamento universidade-empresa . . . . 130
Motivações e barreiras ao relacionamento entre universidades
e empresas no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
Motivações para as empresas, em ordem decrescente
de importância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
Motivações para a universidade, em ordem decrescente
de importância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
Principais barreiras ao processo de interação entre as
empresas e as universidades, pela ordem de importância . . . . 135
Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
6. Um Guia Prático para Universidades e Empresas
em Busca da Inovação Tecnológica
As reais necessidades de pequenas e médias empresas industriais
brasileiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
Fases necessárias para iniciar o relacionamento . . . . . . . . . . . . . 143
Definição de uma política/filosofia da universidade para
as relações empresariais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
Autoconhecimento institucional . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Marketing interno para as relações com as empresas . . . . . 145
Infra-estrutura adequada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
Marketing externo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

xv
Gestão das relações universidade-empresa . . . . . . . . . . . 148
Formação de gestores das relações universidade-empresa . . . 148
Avaliação junto aos utilizadores . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Os mecanismos selecionados para a interação
universidade-empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
Dia da Indústria (ou do Comércio,
ou da Agricultura etc.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
Visitas dos dirigentes universitários às empresas. . . . . . . . . 152
Feira de empresas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
Feira de estágio/emprego . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
Programa de acompanhamento de ex-alunos . . . . . . . . . . 153
Visitas técnicas de alunos às empresas . . . . . . . . . . . . . . 154
Encontros com a empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
Presença de um representante da indústria no conselho
diretivo máximo da universidade. . . . . . . . . . . . . . . . . 155
Conselho empresarial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
Mesas-redondas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
Encontros com responsáveis por recursos humanos
das empresas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
O estágio curricular dos estudantes . . . . . . . . . . . . . . . . 157
O estágio de professores nas empresas. . . . . . . . . . . . . . 158
Cursos extraordinários de extensão universitária . . . . . . . 158
Prestação de serviços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Programa ?A Empresa no Ensino? . . . . . . . . . . . . . . . 160
Pesquisa por encomenda ou por contrato . . . . . . . . . . . . 160
Incubadoras de empresas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
Programa ?disque-universidade?. . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Empresa júnior. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
Programa ?Balcão de Teses?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
Estrutura operacional para obtenção de inovações tecnológicas
a partir da universidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172

gestão da i n o v a ç ã o t e c n o l ó g i c a

xvi
7. Cultura Organizacional para a Inovação
O intra-empreendedorismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Avaliação da cultura intra-empreendedora . . . . . . . . . . . . . . . . 177
1. Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
2. Processo decisório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
3. Incentivos/motivação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
4. Recompensas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
5. Autonomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
6. Liderança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
7. Equipes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
8. Controle/mensuração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

HÁ 30 ANOS NO MERCADO DE LIVROS
MELHOR PREÇO E ATENDIMENTO SÓ NA ODONTOMEDI

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características


    Confira os produtos